Top

A Longa Sombra — Saco Azul Associação Cultural

A Saco Azul Associação Cultural inaugurou A Longa Sombra, uma exposição coletiva com a curadoria de Horácio Frutuoso, que contou com a participação do próprio, de Dayana Lucas, Eduardo Fonseca e Silva & Francisca Valador, Fernão Cruz, Henrique Pavão, Lea Managil, Luís Lázaro Matos e Sara Mealha.

Horácio refere o livro de Diogo Seixas Lopes, Melancolia e Arquitetura em Aldo Rossi, enquanto a orientação inicial do pensamento da exposição. As variações no entendimento do conceito de melancolia motivaram a seleção dos artistas: “(…) o elogio à melancolia como um dispositivo de perceção aguda do mundo, os seus mistérios e a perplexidade da vida, deixaram-me bastante sensibilizado para que pudesse ser o elemento agregador de uma exposição”– escreve o curador no texto da exposição. A relação entre a melancolia e a atualidade pandémica está presente na reflexão do artista/curador, sendo a imposição da realidade ao processo criativo um elemento que trabalhou também na sua exposição individual sage comme une image, na Balcony – Contemporary Art Gallery, apresentada em outubro do ano passado.

Uma das obras apresentadas por Fernão Cruz tem uma etiqueta da Toys “R” Us, um autocolante amarelo com o poder de representar a identidade comunitária da infância desta geração. A escritora Matilde Campilho descreve a imagética das suas memórias, que terão tanto de construção criativa quanto de descrição de um momento real, como que objetos de coleção – a coleção da memória tem-se tornado uma necessidade cada vez mais procurada e, consequentemente, materializada. O poder da memória, o poder da imagem e o poder da partilha manifestam-se na memória coletiva e, talvez, numa situação mundial que anseia hábitos de um “antigamente” recente, na melancolia coletiva. Parece-me que este estado de espírito não se reflete, no entanto, de uma forma depressiva tanto quanto de uma forma quase que de resistência doméstica. O trabalho desenvolvido em esperança ou negação ou prática terapêutica reúne-se em exposições pós-confinamento que, com ansiedade de partilha, apresentam trabalhos com a força da serenidade. O artista que parou e criou, que foi artista e curador e curador e artista.

“São obras que de alguma forma levam para um diálogo connosco, são pontos de conexão ou de proposta com o nosso interior”– diz Horácio sobre os trabalhos expostos. A Longa Sombra, uma exposição multidisciplinar com alguns dos artistas que melhor representam a criação artística na atualidade em Portugal, estará no Maus Hábitos até 30 de maio.

Licenciada em Artes Plásticas – Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto. Frequenta atualmente o Mestrado em Crítica, Curadoria e Teorias da Arte na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. É cofundadora e editora da revista Dose, fundadora do espaço de estúdios para artistas o.estúdio no Bonfim, Porto, e trabalha atualmente enquanto artista plástica e curadora freelancer.

Assine a Umbigo

4 números > €25

(portes incluídos para Portugal)