ARTE

logo_facebook logo_twitter logo_tumblr logo_instagram 

  • none
por

Imagem de capa: Artur Barrio, DEFL....Situação.... +s+....Ruas.......Abril...........1970.

A Fundação EDP distinguiu hoje, por unanimidade, o artista plástico português Artur Barrio com o Grande Prémio Fundação EDP Arte 2016. Segundo o júri, Artur Barrio foi reconhecido pelo interesse e relevância histórica de uma carreira de mais de 40 anos dedicada à prática artística.

Chus Martinez, curadora e diretora do Institute of Art da FHNW Academy of Art and Design em Basel e um dos membros do júri, realça que “atitude é um conceito chave no trabalho de Artur Barrio. O que está presente nessa palavra – que ele transformou vezes sem conta nos seus trabalhos, situações e performances – é uma noção do pessoal, da reação individual às circunstâncias, ao nosso tempo”.

ArturBarrio-1
Artur Barrio, Livro de Carne 1978-1979, fotografia: D. Haneuse

Na sua obra, Artur Barrio utiliza materiais efémeros e inesperados como café, sangue ou carne, criando experiências que envolvem o público e provocam reações extremas. Exemplo do poder do artista de transformar o espetador em testemunha foi a sua intervenção intitulada Trouxas Ensanguentadas, que se tornou numa referência da arte contemporânea no Brasil e da luta contra a repressão da ditadura brasileira. A intervenção consistiu na colocação de sacos com materiais orgânicos e dejetos dando a impressão de que se tratavam de corpos ensanguentados. Entre outros momentos, Barrio fez esta intervenção durante a coletiva Do Corpo à Terra, no Parque Municipal de Belo Horizonte (Minas Gerais), em 1970, tendo atirado 14 trouxas ao rio Arrudas.

ArturBarrio-2
Artur Barrio, Situação T,T1...... 2ª Parte, 1970, Coleção Inhotim

Com a atribuição do prémio, o artista será homenageado através de uma exposição de caráter retrospetivo e/ou antológico, com a publicação de um catálogo e com a atribuição do valor pecuniário de 50 mil euros.

O júri foi constituído por António Mexia (Presidente do Conselho de Administração Executivo da EDP e Presidente da Fundação EDP), Pedro Gadanho (Diretor do MAAT), João Pinharanda (Historiador e Crítico de Arte e atual Adido Cultural junto da Embaixada de Portugal em Paris), Hans Ulrich Obrist (Diretor Artístico da londrina Serpentine Galleries), Suzanne Cotter (Diretora do Museu de Arte Contemporânea de Serralves), Chus Martinez (Diretor do Basel Art Institute), Emília Tavares (Conservadora e Curadora para a área da Fotografia e Novos Media, no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado) e Nuno Crespo (Investigador e Crítico de Arte).

O Grande Prémio Fundação EDP Arte, criado em 2000, é uma iniciativa trienal que pretende consagrar artistas plásticos de nacionalidade portuguesa, com carreira consolidada e historicamente relevante, cujo trabalho contribui para afirmar e fundamentar as tendências estéticas contemporâneas.

ArturBarrio-4
Artur Barrio, fotografia: André Luiz Mello

ARTIGOS RELACIONADOS

Arte

Newsletter

Subscreva-me para o mantermos actualizado: