NOTAS SOLTAS

  • none

O Monstro inventou os amigos. He’s with you in Rockland.

O Monstro precisa de amigos. Escrevi isto ao mesmo tempo que o Rodrigo mas sincronicidades não se explicam; aceitam-se como uma intersecção inevitável do cruzamento. Os amigos precisam desesperadamente deste Monstro porque o sabem numa esplanada a jogar ao jogo do sério. Com o ego a sorver palhinhas e a brincar à apanhada com os dedos besuntados de massa de bolos. Esta entrega aos detalhes é séria, aviso. Exige um sentido de humor corrosivo à medida da doçura devoradora. Daí a defesa (e a careca).

O Rodrigo é doce. O Allen também. Não irei mencionar a barba ou a similaridade fácil. Escolhi-o pela paixão que tenho por pessoas que se sujeitam a um desgaste comum de depositarem no mínimo que fazem tudo o que serão. Vi pela primeira vez o Rodrigo no Perdidos em Yonkers. “Fogo ainda te lembras disso!” “Pois claro; fazes parte de pequenos negativos de infância. O Allen é o meu favorito. Podes brincar ao faz de conta connosco?”. A ele juntou-se em plena Alfama Alexia aka. Diego, a razão de proporcionalidade perfeita da mulher mais bonita dentro do homem mais fotogénico que conheci até hoje.

Esta foi a primeira sessão do projecto com toda a ansiedade e incerteza que encerrou. Apenas duas caras familiares no meio deste processo inicial e o nervosismo de ocupar a lente com esta ideia, a do fio invisível que liga Ginsberg a Solomon, cujas vidas se empurraram para um hospital psiquiátrico, e no qual projectaram tudo o que tinham para projectar um no outro. Começados por M, Medos e Mães. Brincaram aos bebés e às famílias felizes. O livro escreveu-se por si. Pelas imposições do mundo, pelas horas de terapia diária a repetir em voz alta pequenos fragmentos de escrita, como se a ilustração oral da sua genética tornasse os seus medos produto para estilhaços, prontos a serem varridos. No caso de Allen, ampliou-os. Felizmente, o Monstro ao fazê-lo ampliou-se também. E a barba cresceu com a careca e não tardaria a distribuir flores a gerações futuras com medo deste (e de outros mundos) apocalipticamente molochianos.

Apesar disso, baixou a guarda e ofereceu-se com a simplicidade de quem se foi embora e deixou tudo cá.

CRÓNICA-6

ARTIGOS RELACIONADOS

Notas Soltas

Newsletter

Subscreva-me para o mantermos actualizado: