DIÁRIOS DO UMBIGO

  • none

Calcorreasse Almeida Garrett (ele vive) a nossa terra e tema que não faltaria seria sobre Associações: Associação Recreativa, Associação Folclórica, as duas fórmulas – Recreativa + Folclórica, aquelas que têm como valor único a amizade (Associação Amigos de), não me peçam exemplos sou misantropo, as casas (do Minho, de Lafões…) ou as dedicadas à arte gastronómica. A Confraria do Bacalhau? Um favor, não gozem. A resposta é Chili com Carne.

ChiliComCarne-1

O prato é quase sempre o mesmo. Farto como convém, condimentado acima de qualquer padrão de decência, mistura de sabores, texturas verdadeiramente crocantes e explosões simultâneas no palato cerebral (obrigado Avilez, valeu). Confecionada pelos melhores chefes Filipe Abranches, Jucifer, João Maio Pinto, André Ruivo, João Fazenda e sem desprimor para os mencionados e não mencionados le grand-chef Marcos Farrajota. O chefe de sala do tasco. Tasco não em tom depreciativo, é eufemismo para a morada oficial – Apartado 215, 2751-903 Cascais ou para a morada oficiosa que, normalmente, coincide com o Palmeiras – Rua do Crucifixo, 69.

Condição para usufruir das iguarias – ser sócio. A partir daqui é sempre abrir. Ou talvez não. Nunca esquecer que no mundo da edição independente nada é linear. Depois de já se poder exibir, sem falsa modéstia, o cartão personalizado é só estar atento às promoções à la Zara. São mais que muitas. Alguém contou as peças da Zara em promoção? Então não me peçam para o fazer com as edições da Chili. São muitas, mesmo. Como cadeia barata, um dos melhores momentos para se adquirir a verdadeira pechincha é em Janeiro. Segredo? Claro que há.

ChiliComCarne-2

Estar atento ao cardápio dos livros manuseados, escolher o que interessa, escrever email ao Farrajota, o gajo não tem telemóvel – ouviste Martim ele é o verdadeiro, e combinar lugar e hora de entrega. Serviço personalizado portanto. Eu faço-o no Palmeiras. Porquê? Para poupar nos portes. O que se poupa gasta-se em cerveja, mas asseguro que vale a pena. Da última vez, ou seja há uma semana, comprei: Futuro Primitivo (VA); Já não há maçãs no paraíso de Max Tilmann, oCalendário d'AcontorcionistA e Talento Local de Marcos Farrajota. E como brinde, retrato feito pelo Farrajota e isto porque não vai com a minha cara. Poderão ter mais sorte.

Recensão crítica? Ah, todos excelentes. Recensão económica? Triple A (oink#!!). Pelos quatro volumes paguei 8 euros, em pesquisa pela net pagaria 30 euros por três. Mais barato? Nem as batatas fritas do Palmeiras.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Diários do Umbigo

Newsletter

Subscreva-me para o mantermos actualizado: